sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Um ateu praticante...

Eu sou ateu. Praticante.

O ateu não é, como muito estupidamente se pensa, aquela pessoa que ‘não acredita em nada’. Eu acredito, sim, em muitas coisas. Uma delas é que um mundo sem religião seria um lugar bem melhor para se viver. As pessoas poderiam muito bem inventar quantos deuses quisessem para adorar, pelos quais estragassem as suas vidas e desperdiçassem o  seu tempo. Isso seria problema delas, desde que mantivessem esses hábitos na sua privacidade. Entretanto, a religião é o que faz com que essas ilusões se tornem prejudiciais não só para quem nelas acredita, mas  para todos nós.

Você pode querer argumentar que a “sua” religião é uma religião “do bem”, “boazinha”, “não faz mal a ninguém”, isso querendo comparar com, digamos, a religião muçulmana. Mas como você, obviamente, não consegue entender, se a sua religião não é uma das três grandes monoteístas — cristã, judaica e islâmica –, nem a dos mórmons, nem a hindu, nem uma das outras menores,  se a “sua” não é uma dessas, é com absoluta certeza uma ramificação de uma delas, ou uma ramificação de uma ramificação, dentre as inúmeras outras que pipocam todo dia no “mercado”, e que você “a escolheu” porque ela serviu em você — como um sapato. Mas, assim como o sapato, a “sua” religião também foi fabricada para suprir uma necessidade sua e gerar renda para o seu fabricante. Você obviamente não tem interesse em enxergar a quantidade de gente que está enriquecendo com isso; mas outras pessoas enxergaram: daí o motivo de tantas “novas” igrejas. A indústria da fé.

Mas o seu argumento continua de pé: sua religião é do bem. Você pode querer dizer que a sua religião não quer dominar o mundo, matar infiéis, impor à força o seu Deus, governar o país, etc. Você pode dizer, por exemplo, que não pertence à fé cristã, que ceifou milhões — milhões — de vidas humanas ao longo da História pela fogueira, pela tortura, pela espada, pelas guerras e por aí afora. Mas o que você também não entende, e talvez mesmo não queira entender, é que ela só não fez isso tudo porque nunca teve o poder para isso. Nunca teve, ou não tem “ainda”.

Esse blog foi concebido não só para expressar algumas das minhas opiniões sobre Deus, religião, fé, ateísmo e tal. Eu pretendo convidar pessoas religiosas para lerem os meus textos e darem suas opiniões. Não farei isso na intenção de que se tornem ateias, de que aceitem a minha visão do mundo, mas, sim, com o tentador convite para que me convençam de suas crenças e derrubem as minhas, e que possam, com isso (quem sabe?), “salvar a minha alma”.

Um outro motivo para a criação do blog é a minha própria proteção. É mais seguro defender minhas opiniões daqui. Um ateu dificilmente conservaria todos os dentes na boca caso se atrevesse a usar o mesmo expediente de pregar em praça pública as suas convicções, tal como o crente faz. Não é nada fácil imaginar que um grupo de ateus seria capaz de se reunir e agredir um pregador que estivesse divulgando as suas crenças num local público. Entretanto, seria exatamente isso o que se poderia esperar dos religiosos se fosse um ateu o orador. Por isso eu prefiro a relativa segurança da web à insegurança do púlpito. Eu considero as pessoas religiosas tão inofensivas quanto um bêbado dirigindo uma escavadeira. Ou segurando um revólver. Um ateu covarde, vivo e “praticante” é infinitamente mais útil do que um ateu valente e morto. Nós, ateus, não precisamos de mártires.

Eu “criei” esse blog em 3 passos. Levou apenas 6 minutos. No 7º eu descansei.

Autor: Valmidênio Barros do Blogue DEUSILUSÃO.

Nota: Um dos melhores blogues da internet brasileira. Impossível ler os textos e deixar de imaginar uma mente inteligente por trás.

Enéias Teles Borges

5 comentários:

  1. Respeito sua opinião, porém discordo que a religião tenha matado alguém, isto é como culpar o carro pelo acidente de trânsito, quem matou foram pessoas que mataram para impor sua vontade, e que matariam por qualquer outra "razão", assim como fizeram os comunistas ateus em nome da defesa do sistema contra os "traidores do povo" ou os nazistas com sua pseudo-cientifica superioridade ariana, então fica difícil afirmar que o mundo seria melhor sem religião, pois simplesmente a humanidade arrumaria outra justificativa para impor suas vontades uns sobre os outros. Não que eu discorde que existe uma indústria da fé, mas como qualquer indústria ela vende o que o cliente quer comprar, assim como há uma indústria da razão, em que muitos ateus, para se sentir superiores, se agarram, ou seja talvez devêssemos questionar nossas próprias motivações antes de atacarmos a do próximo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Renato Martins Barcellos29 de janeiro de 2012 20:09

      A igreja católica matou, o islam matou, o comunismo matou, o nazismo matou, o automóvel (atropelou e matou pedestre que atravessava a rua) também... O ateísmo não! E, por favor, sem essa de que foram os homens e blá blá blá, que aqui ninguém é analfabeto para achar que um substantivo, seja ele feminino ou masculino, possa cometer um assassinato. É claro que foram os homens! Mas quando esses homens são líderes, acólitos e fiéis de uma agremiação religiosa, e o fazem em nome da mesma e de seu deus, pode-se, sim, dizer que a religião matou. Por outro lado, você não vai encontrar na história um episódio sequer em que o ateísmo, ou alguém em seu nome, cometeu um genocídio, um massacre ou um "simples" assassinato. Essa é uma das inúmeras diferenças entre ateísmo e religião. Ah! E os comunistas não mataram por serem ateus ou em nome do ateísmo, mas por serem comunistas e em nome do partido!

      Excluir
  2. Primeiramente não preciso nem citar quem causou o holocausto em Sodoma e Gomorra, Babilônia e dilúvio... Não só morte como incesto e pedofilia foi promovida pela bíblia, na história de Ló o mesmo transa com suas 2 filhas (uma ainda era criança)Sem contar inúmeras figuras que ordenadas por d-uz promoveram assassinatos e massacres, e ainda hoje isso acontece, [É grande o número de assassinos que dizem ser instruidos por d-uz. Um detalhe: Hitler, stalin e Mussolini não eram ateus. A RELIGIÃO TEM QUE ACABAR PARA QUE ELA NÃO ACABE CONOSCO!

    ResponderExcluir
  3. A RELIGIAO E IMPORTANTE PARA O MUNDO TEM SEUS PROS E COTRAS TBM !!!RELIGIÃO E SOCIEDADE
    SEM VALORES ÉTICOS E RELIGIOSOS, A SOCIEDADE NÃO TEM FUTURO, NAVEGANDO SEM META DEFINIDA, CAMINHANDO PARA O RETROCESSO CIVIZACIONAL E A AUTO-DESTRUIÇÃO, AO SABOR DA ALIENAÇÃO DOS SENTIDOS... NEM O ATEISMO DE MARX, O SUPER-HOMEM DE NIETZSCHE, O BOM SELVAGEM DE ROUSSEAU, A LIBERDADE EXISTENCIALISTA OU O ANARQUISMO HIPPIE, RESOLVERAM OS DEFEITOS DA SOCIEDADE ORGANIZADA...
    SÓ A ...PRESENÇA DE DEUS E DA SUA LEI, DÁ SENTIDO À VIDA HUMANA, SUPERA AS UTOPIAS E GARANTE A PAZ UNIVERSAL !...

    Ao desembarcar, Jesus viu uma grande multidão e compadeceu-se de toda aquela gente, que eram como ovelhas sem pastor. E começou a ensinar-lhes muitas coisas. (Mc.6, 30-34

    ResponderExcluir
  4. Obrigado por escrever um artigo tão brilhante e esclarecedor! Somente alguém com grande inteligência percebe o quando as religiões são prejudiciais para o mundo.
    Estaríamos milhares de anos mais evoluídos não fosse por isso.
    Infelizmente 90% das pessoas não tem capacidade de observar, discernir e decidir para si mesmo.

    ResponderExcluir